quinta-feira, 30 de julho de 2009

Hotéis para Animais

Se não pode levar o seu animal de estimação consigo na próxima viagem, deixe-o descansar num hotel especialmente criado para os amigos de quatro patas.

O melhor amigo do homem está bem é perto dele. Contudo, nem sempre isso é possível. Primeiro, é preciso encontrar um hotel que lhe permita levar o seu companheiro. Depois, os poucos que permitem a hospedagem de animais de companhia cobram bastante pelo serviço, porque normalmente representa um custo adicional de limpeza. Se for para o estrangeiro, a complicação agrava-se: no mínimo, é preciso que o animal esteja identificado com um micro-chip e que se faça acompanhar por um passaporte emitido por um médico veterinário habilitado. Se tiver de voar, é preferível que o cão acompanhe o dono a bordo, mas isso só é possível se pesar menos de cinco quilos.

Os alojamentos para cães são cada vez mais uma solução para os veraneantes portugueses que têm de deixar o seu amigo de quatro patas à guarda de alguém. Há cada vez melhores hotéis caninos em Portugal. É possível encontrar preços diários entre os 10 e os 20 euros. Embora os serviços-base sejam idênticos (dois ou três passeios de exercício por dia, limpeza frequente, alimentação com ração de boa qualidade) há características especiais que podem encarecer a factura final. Dependendo da duração da estada, há hotéis caninos que incluem o transporte do animal de estimação. Outros oferecem banhos e tosquias. E há até os estabelecimentos que disponibilizam piscinas para os cães que gostam de água - como a Quinta Monte dos Vendavais, em São Domingos de Rana, e a Quinta do Sol, em Bucelas. Antes de decidir, o ideal é visitar o hotel para não ficar preocupado quando estiver longe.

Tal como nos hotéis para os humanos, alguns canis e gatis também têm épocas alta e baixa. As diferenças de preços são marginais, mas o que deve preocupar os donos é que não estejam cheios quando quiser deixar o seu amigo bem entregue. Se já reservou o seu hotel, reserve também o do seu animal de estimação, não vá ele ficar sem destino nas próximas férias.

Alguns conselhos:
1 - Não o ponha no primeiro lugar que aparecer. Visite diversos locais, podendo aproveitar para comparar a qualidade e preço do alojamento.
2 - Ao visitar o lugar, peça para ver as instalações onde o seu amigo vai ficar. Verifique se essas instalações estão limpas ou se são limpas regularmente. Confirme também se existe um espaço próprio para o exercicio dos animais.
3 - Existem alguns locais em que o preço da estadia não incluí a alimentação. Certifique-se disso.
4 - Pergunte se, em caso de doença, existe um veterinário que possa cuidar do seu animal.
5 - Desconfie de locais muito baratos e de locais onde não peçam o boletim de vacinas do animal

Hotéis por Distrito

Consultar Preçário


Outros Hotéis:


segunda-feira, 27 de julho de 2009

Sabe cuidar do seu Gato?

Adora gatos e até tem mais do que um em casa... Mas será que o gostar de gatos é suficiente para saber cuidar deles?
Faça o seguinte teste e descubra se sabe cuidar do seu Gato!

terça-feira, 21 de julho de 2009

SOS Animal tenta ajudar abandonados

No verão, o número de animais abandonados aumenta. É assim todos os anos apesar dos esforços das campanhas de sensibilização.

Para contrariar esta tendência, a SOS Animal apela à adopção de cães e gatos, com o cenário a repetir-se todos os terceiros domingos de cada mês no parque lisboeta do Alvito, em Monsanto.

O objectivo é promover a adopção de animais mas também lutar para que acabem os abandonos por parte dos donos. Só em Lisboa, no verão, o número de animais abandonados pode chegar aos 500. Um cenário que se repete um pouco por todo o pais.

Por isso, antes de adoptar um animal de estimação pense muito bem, para mais tarde não ter de abandonar o seu fiel amigo.


Notícia IOL Diário

sexta-feira, 17 de julho de 2009

Verão Animal

Aí está o Verão. Quem me dera que não chegasse, “pensam” alguns animais. É que infelizmente as pessoas continuam a abandonar os animais, porque não dá jeito contar com a presença deles em férias. São largados na rua, nas estradas, à porta dos veterinários e o que podemos fazer? Lembrar que há sempre uma solução. Um vizinho, um familiar, um hotel para bichos. Não posso escrever aqui o que me apetecia fazer a quem tem este gesto mas tudo aquilo que imaginar pode ser. Porque o abandono de um animal é, para mim, comparável ao abandono de uma criança num bosque ou de um idoso num hospital. Os animais precisam de cuidados, banho, amor, respeito. Elevo-os à categoria de seres humanos sem qualquer hesitação. E, se como Gandhi disse «uma nação pode ser julgada pelo modo como os seus animais são tratados», então muitas conclusões podíamos tirar acerca da nossa nação e, infelizmente, de muitas outras do mundo.

Texto: Joana Cruz (Rádio RFM)
Retirado do Jornal Destak (17-07-09)

quinta-feira, 16 de julho de 2009

1ª Companhia Aérea para Animais

Abriu nos Estados Unidos a primeira companhia aérea só para animais. Cães e gatos viajam separados, mas com luxos muito semelhantes aos oferecidos aos humanos.

A companhia de avião Pet Airways, fundada pelos norte-americanos Alysa Binder e Dan Wiesel, possibilita aos animais de estimação viajarem com a mesma comodidade dos seus donos. Nas cidades onde voam (Los Angeles, Nova Iorque, Washintgon, Denver e Chicago) a Pet Airways retribui com carinho a falta dos donos.

Este projecto pensado há quatro anos realizou esta quarta-feira o primeiro percurso. Este inclui paragem para ir à casa-de-banho, período de brincadeira e até o jantar. Todos os animais podem viajar sozinhos ou com os seus donos na cabine e são cuidados por assistentes de voo que lhes trazem água e comida, tratando também dos cuidados higiénicos de que precisem.

Cada avião pode transportar 50 animais, por aproximadamente 250 dólares (cerca de 177 euros), com direito a um sofá, vigilância a cada 15 minutos e uma sala de espera nos aeroportos, antes e depois do voo.

sexta-feira, 10 de julho de 2009

De férias com a sua mascote!

Mais dicas de como levar o seu animal de estimação de férias consigo.

Os dias de muito calor não constituem grande problema para nós. Vestimos menos roupa, vamos para a praia ou para a piscina, aplicamos protector solar, bebemos água a toda a hora, colamo-nos às ventoinhas e ligamos o aparelho de ar condicionado do carro no máximo quando viajamos.

Mesmo assim queixamo-nos! Agora imagine se tivesse um casaco de peles incrustado fizesse sol ou chuva, não tivesse como refrescar-se e não pudesse abrir a porta do frigorífico para acalmar a sede...

É um panorama aflitivo, não acha? Pois é assim que cães e gatos se podem sentir no Verão. Isto se os donos não tomarem certas precauções. Como sabemos que esse não é o seu caso, vamos refrescar-lhe... a memória!

Quatro patas com identificação

Trate-se de um cão ou do mais caseiro gato, deve ter sempre uma coleira em que conste um número de telefone ou telemóvel de contacto. Esta medida, fundamental todo o ano, reveste-se de um carácter obrigatório longe de casa e em situações em que o animal se pode perder e não estar familiarizado com o caminho de regresso à residência de férias.

Água, muita

Não se esqueça que os meses mais quentes pedem uma «dose» extra de água para a sua mascote. Deve renová-la duas vezes por dia, até porque o calor é propício a um maior desenvolvimento de germes patogénicos. Se viajarem transporte consigo uma garrafa térmica com água fresca.

Rotina alimentar

Em tempo de férias e, para que o organismo dos animais se mantenha equilibrado, não mude os hábitos alimentares instituídos ao longo do ano.

Protegidos do sol

Sim, os cães e os gatos também podem sofrer queimaduras solares graves, especialmente se tiverem pêlo claro. As áreas mais sensíveis são o nariz e as orelhas, pelo que deve aplicar-lhes um protector solar adequado para animais, tendo especial cuidado para que o produto não atinja a zona dos olhos.


Nunca deixe os animais muito tempo ao sol, levando-os para a sombra ou para um local fresco. Os cães idosos ou com excesso de peso e, igualmente, cães de nariz curto (como os boxers, por exemplo) são ainda mais vulneráveis ao calor, requerendo cuidados redobrados.

Passeios ao vento

Preferencialmente, reserve os passeios mais longos para o início da manhã ou fim da tarde, altura em que o asfalto não está tão quente e as patas dos cães não correm perigo de sofrerem queimaduras. Vá fazendo pausas ao longo do passeio, para o seu cão poder recuperar fôlego e beber água. E o dono também!

Pêlos longos

Muitas pessoas resolvem tosquiar os cães no Verão, com a intenção óbvia de os refrescar e de evitar alguns problemas de pele provocados pelo calor. No entanto, parece que este acto bem intencionado pode ser contraproducente se o pêlo for cortado demasiado rente, visto que esta capa tem uma dupla função, retém o calor junto do corpo no Inverno e serve de isolamento nos meses mais quentes. Em relação aos gatos, deve escová-los com regularidade, pois esta época favorece a perda de pêlo.

Mergulhos de Verão

O seu cão adora refrescar-se no mar ou atirar-se espalhafatosamente para a piscina? Nunca o deixe de vigiar e impeça-o de beber água salgada e da piscina (esta contém químicos que poderão causar problemas gastrointestinais).

Depois de um mergulho no mar, dê-lhe um banho de água doce e limpe-lhe os ouvidos. A humidade cria o habitat ideal para alojar bactérias e parasitas.

Fora do automóvel

Nunca deixe o seu cão dentro do automóvel enquanto vai às compras (por exemplo), mesmo que tencione demorar-se apenas cinco minutos e ainda que as janelas não fiquem completamente fechadas. Quando está calor, a temperatura no interior de um carro atinge graus elevadíssimos rapidamente, mesmo à sombra. Para além disso, os cães não estão dotados da capacidade de transpirar que os humanos têm, absorvendo o calor, o que pode conduzir a situações muito graves.

Faro de dono

Antes de partir para férias, leve o seu animal de estimação ao veterinário, para que este se certifique que está tudo normal e a instrua acerca de alguma medida adicional que deva tomar.

Se notar que, durante as férias, a sua mascote demonstra um comportamento fora do comum (não come ou não brinca, entre outras situações) e contrário ao seu temperamento habitual, leve-a ao veterinário. O mesmo acontece se for picada ou mordida por um mosquito ou uma abelha, o que pode desencadear reacções alérgicas muito variadas e que, por vezes, podem ter consequências sérias.

Texto: Teresa d'Ornellas

Fonte:
Sapo - Saber Viver